Este Dia na História: 12/05/1945 - Aviões Perdidos no Triângulo das Bermudas

Este Dia na História: 12/05/1945 - Aviões Perdidos no Triângulo das Bermudas


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Neste vídeo "Este Dia na História", aprenda sobre a história do dia 5 de dezembro. Foi o dia da Corrida do Ouro na Califórnia em 1848, o início da Lei Seca em 1933 e o dia em que Newt Gingrich tornou-se presidente da Câmara, o primeiro republicano a fazê-lo em cerca de 40 anos.


Análise:

O Triângulo das Bermudas foi um verdadeiro mistério por muito tempo, por causa de mais de 100 navios e aviões que se perderam nesta área em circunstâncias misteriosas sem deixar vestígios. Mais de 1000 pessoas foram perdidas nesta área. Também chamado de Triângulo do Diabo & # 8217s, o Triângulo das Bermudas é uma região na parte ocidental do Oceano Atlântico Norte. A área do Triângulo faz fronteira com Porto Rico, Miami e Bermudas (conforme mostrado na imagem abaixo). O tamanho dessa área varia de 500.000 a 1,5 milhão de milhas quadradas. Muitas pessoas associaram esta área com atividade paranormal ou extraterrestre por causa do desaparecimento de aeronaves e vasos de superfície em circunstâncias misteriosas.

A área do Triângulo das Bermudas

O primeiro incidente relatado foi o do vôo 19, um grupo de cinco aviões bombardeiros pertencentes à Marinha dos Estados Unidos que desapareceram na área do triângulo em 1945 em 5 de dezembro de 1945. Além disso, outra aeronave de busca e resgate PBM Mariner que foi enviada no dia seguinte para procurá-los desapareceu 20 minutos antes da partida. em 30 de janeiro de 1948, o Star Tiger, um avião BSAA Avro Tudor IV, desapareceu sem deixar vestígios. E em 17 de janeiro de 1949, outro avião Avro Tudor IV pertencente à BSAA desapareceu entre as Bermudas e a Jamaica. Muitos navios e embarcações de superfície também foram relatados como tendo desaparecido nesta área em circunstâncias misteriosas, sem qualquer tipo de vestígio. Relatórios dizem que nenhum desses aviões ou navios enviaram sinais referindo-se a qualquer tipo de naufrágio ou naufrágio. Afirmaram, ainda, que o equipamento de navegação não funciona naturalmente na área do triângulo, enganando os navegadores e causando acidentes. Muitas teorias e histórias surgiram desde então explicando esses acidentes, alegando ter resolvido o mistério do Triângulo das Bermudas. Alguns chamam isso de além da ciência e paranormal, enquanto outros o associam a algum tipo de atividade extraterrestre. Analisamos várias fontes e relatórios confiáveis ​​e estamos sendo lógicos em nossa análise aqui.

O acidente do vôo 19 foi uma falha técnica que aconteceu por causa de equipamentos de navegação defeituosos. O piloto líder perdeu o rumo e tentou voar com pontos de referência visuais por um longo tempo. Por se tratar de um vôo de treinamento, as outras quatro aeronaves tiveram que seguir o piloto líder. Como resultado deste sobrevoo, as aeronaves perderam combustível e desapareceram no oceano. A aeronave PBM Mariner que foi enviada para revistá-los tinha um histórico de explosões devido a vazamentos de vapor, pois faz uma operação de busca e resgate potencialmente longa que requer uma carga pesada de combustível. As razões do desaparecimento de outros dois aviões foram explicadas pela BBC. O aquecedor da aeronave Star Tiger & # 8217s não era confiável e havia falhado durante o vôo. Além disso, uma das bússolas estava com defeito. Por esse motivo, o piloto deve ter decidido voar a uma altura muito baixa de 2.000 pés, o que acabou resultando na perda de combustível e colapso no oceano. Na verdade, o Star Tiger foi um avião de guerra convertido que acabou sendo retirado do serviço de passageiros por causa de seu histórico de segurança insatisfatório. O desaparecimento do Avro Tudor IV foi uma falha técnica catastrófica como resultado de um projeto ruim. Naquela época, a tecnologia de aquecedores de aeronaves era bastante nova. O aquecedor e os tubos hidráulicos estavam significativamente próximos. O vapor hidráulico escapou de um vazamento, que atingiu o aquecedor quente e causou uma explosão repentina.

Chegando aos muitos navios e embarcações de superfície que supostamente estavam desaparecendo no Triângulo das Bermudas, há muitos motivos naturais associados a isso que se relacionam à topografia do oceano no Triângulo das Bermudas. O Triângulo das Bermudas é de fato um vórtice de condições naturais extremas. Muitos navios perdidos foram localizados, mas alguns desaparecimentos não tiveram motivos. O Discovery Channel fez uma boa pesquisa nessa área e apresentou todas as condições possíveis que poderiam ter levado a esses misteriosos desaparecimentos.

Eles usaram varreduras SONAR modernas e pesquisas de satélite e criaram mapas 3D das Bermudas. Perto de Porto Rico, eles encontraram uma trincheira de 5 milhas de profundidade no centro sísmico do Triângulo das Bermudas. Qualquer navio ou avião caiu nesta área não pode ser encontrado. O segundo atributo é a corrente do Golfo, que é uma corrente oceânica profunda que se origina no Golfo do México e flui através do Estreito da Flórida para o Atlântico Norte. Qualquer pequeno avião fazendo uma aterrissagem na água ou um barco com problemas com problemas no motor pode ser facilmente levado por esta forte corrente subaquática. Os pesquisadores do oceano descobriram que esta corrente oceânica mais rápida do Atlântico arrastou um navio OMTATA de 8.000 toneladas por mais de 200 milhas e, portanto, não foi encontrado no local em que foi afundado. Esse deslocamento de navios e aviões afundados torna difícil rastreá-los. Outro atributo em que os pesquisadores acreditam é o Rogue Waves, pois todos os aviões e navios perdidos nunca deixaram nenhum sinal de naufrágio ou impacto, o que significa que os acidentes devem ser acompanhados por velocidade e meios violentos de repente. Essas ondas traiçoeiras são 10 vezes maiores do que as ondas gerais, que podem arrastar navios instantaneamente. Isso acontece por causa das frequentes tempestades no Atlântico que deslocam e produzem a alta incidência de ondas traiçoeiras perto do triângulo das Bermudas. Todos esses fatores, incluindo possível erro humano, são os principais motivos do desaparecimento de navios e aviões no Triângulo das Bermudas.

Hidratos de metano

É um fato que o Triângulo das Bermudas contém grandes campos de hidratos de metano nas plataformas continentais. A história mencionada é uma hipótese que surgiu após experimentos de laboratório realizados na Austrália que provaram que bolhas de metano podem de fato afundar um navio modelo em escala, diminuindo a densidade da água. O estudo presumiu que erupções periódicas de metano no Triângulo das Bermudas produzem regiões de água espumosa que não fornecem flutuabilidade adequada para os navios e resultam em afundamento rápido sem qualquer tipo de aviso. Além disso, eles presumiram que a corrente do Golfo pode arrastar esses navios naufragados. O vídeo abaixo mostra como isso pode ser possível.

No entanto, existem grandes reservas de hidratos submarinos em todo o mundo, (consulte o mapa) incluindo a área de Blake Ridge, na costa sudeste dos Estados Unidos, e em nenhum lugar onde desaparecimentos & # 8216 misteriosos & # 8217 como o Triângulo das Bermudas são relatados. Além disso, o Serviço Geológico dos Estados Unidos afirma que nenhuma grande liberação de hidratos de gás teria ocorrido na área do Triângulo das Bermudas nos últimos 15.000 anos. E, não há nenhuma lógica definitiva em dizer que essas bolhas de metano podem arrastar aeronaves voando no céu. Portanto, esta parte da história é uma farsa.


5 histórias misteriosas famosas do Triângulo das Bermudas

O triângulo das Bermudas, também conhecido como Triângulo do Diabo # 8217, é um dos lugares mais misteriosos do planeta. Localizada na costa sudeste dos Estados Unidos, no Oceano Atlântico, entre Bermudas, Flórida e Porto Rico, a região se tornou o centro de mistérios não resolvidos.

Cobrindo uma área de 440.000 milhas de mar, o triângulo das Bermudas faz parte de uma rota marítima movimentada no mundo, com vários navios que se dirigem para a América, Europa e Caribe cruzando todos os dias.

É mais devido aos resultados inexplicáveis ​​que o tornam um componente altamente estudado e ainda enigmático da superfície da Terra. Ao longo dos séculos, foi relatado que um grande número de navios e aviões desapareceram misteriosamente na região.

Além disso, este Triângulo do Diabo foi responsabilizado pelo desaparecimento de milhares de pessoas nas últimas décadas.

O termo & # 8220Bermuda Triangle & # 8221 foi usado pela primeira vez por Vincent Gaddis em 1964 em seu artigo publicado na revista Argosy.

Créditos de imagem: Jbarta / wikipedia.org

As histórias em torno do triângulo das Bermudas começam na época de Cristóvão Colombo, quando ele supostamente viu uma chama de fogo caindo no mar no triângulo durante sua primeira viagem ao Novo Mundo.

No entanto, o misterioso comportamento da região veio à atenção do público apenas no século 20, quando o navio cargueiro da Marinha, USS Cyclops, com mais de 300 pessoas a bordo, desapareceu no triângulo das Bermudas. O último incidente na região é o desaparecimento de um pequeno avião bimotor em maio deste ano.

O avião, com quatro pessoas a bordo, desapareceu repentinamente do radar quando voava de Porto Rico para a Flórida, e os destroços pareciam ser do avião desaparecido que foi encontrado mais tarde.

O recente incidente que envolveu um navio foi o naufrágio de um navio de carga no Triângulo das Bermudas durante um furacão mortal em outubro de 2015.

Como os acidentes, muitas vezes misteriosos, continuam a acontecer na região do Triângulo das Bermudas, muitos oferecem uma série de explicações para o mistério por trás deles.

O papel das atividades paranormais e a presença de alienígenas foram fortemente sugeridos por aqueles que acreditam que algo estranho está acontecendo, enquanto muitos com visão científica contestaram este argumento oferecendo explicações racionais para o fenômeno.

Entre as poucas explicações científicas propostas, a mais popular é a teoria da interferência eletromagnética que causa problemas de bússola.

Esta teoria afirma que há uma atração muito alta do ímã natural da Terra que redireciona a bússola e outros equipamentos sofisticados, e os impede de seguir a rota pretendida através das águas.

No entanto, como nenhuma teoria poderia oferecer uma explicação concreta, muitos ainda acreditam que não há nada de estranho com a região, já que a maioria dos incidentes foram relatados de forma imprecisa ou versões fictícias dos acidentes.

Apesar de não haver uma teoria comprovada para o motivo exato do mistério do Triângulo das Bermudas, os acidentes continuam acontecendo na região todos os anos.

E, as lendas do Triângulo das Bermudas consistem em uma série de desaparecimentos misteriosos de embarcações na região, a maioria deles permanece menos sem noção ainda. Aqui está uma lista das histórias mais conhecidas de desaparecimento ou os mistérios não resolvidos de acidentes navais no Triângulo do Diabo & # 8217s.

1. Mary Celeste

Possivelmente uma das histórias mais misteriosas de naufrágios, este navio é um conto à parte. Apesar de ter sido encontrado à deriva em algum outro local no Oceano Atlântico, a conexão com o triângulo das Bermudas foi de alguma forma invocada para encontrar uma resposta para o mistério de seu destino.

Descoberto em 4 de dezembro de 1872 com tudo em ordem, exceto para toda a tripulação, o navio foi encontrado encalhado no mar dias depois de iniciar sua jornada de Nova York a Gênova, na Itália.

Havia sete tripulantes junto com o capitão Benjamin Briggs, sua esposa e sua filha de dois anos no exterior do navio que estava carregado com álcool puro.

Mas, dias depois, quando um navio britânico de passagem chamado Dei Gratia encontrou Mary Celeste navegando parcialmente no Atlântico, ao largo das ilhas dos Açores, o navio não estava tripulado e sem tripulação no exterior e o bote salva-vidas também estava desaparecido.

Também foi constatado que nove dos barris da carga estavam vazios e havia uma espada no convés. Nenhum vestígio das pessoas no exterior do navio ou do bote salva-vidas desaparecido foi encontrado.

Estudos do navio claramente descartaram a possibilidade de um ataque pirata, uma vez que tudo neste navio, incluindo os barris de álcool que estava transportando e os pertences valiosos da tripulação, estavam intactos.

As teorias em torno do mistério de Mary Celeste também incluíam as chances de uma conspiração criminosa, abdução alienígena e até mesmo um ataque por uma lula gigante.

A possibilidade de um desastre natural também estava na lista. Muitos sugeriram o papel de um terremoto submarino por trás do acidente, enquanto poucos propuseram um ataque acidental do navio no Triângulo das Bermudas.

No entanto, por mais que essas especulações pareçam razoáveis, elas claramente não se encaixam. Afinal, por que uma tripulação perfeitamente hábil em um dia de bom tempo, com seu navio totalmente descompromissado, abandonaria-o e nunca mais voltaria à superfície?

2. Ellen Austin

É um triângulo misterioso enervante associado à escuna americana de carvalho branco, Ellen Austin. Em 1881, a Ellen Austin de 210 pés de comprimento estava a caminho de Nova York de Londres quando ela tropeçou em um abandonado perto do Triângulo das Bermudas. Tudo parecia bem com a escuna não identificada flutuando ao norte do Mar dos Sargaços, mas a tripulação desaparecida.

O capitão Baker do Ellen Austin pediu para observar o abandonado por dois dias para ter certeza de que não é uma armadilha. Após dois dias sem resposta do navio, o capitão entrou no navio abandonado com sua tripulação para encontrar o carregamento bem embalado e nenhum sinal da tripulação.

Para rebocá-lo de volta com Ellen Austin, o capitão colocou uma tripulação de prêmio no navio, para zarpar juntos. No entanto, depois de dois dias navegando em águas calmas, uma tempestade separou o caminho dos dois navios, após a qual o navio abandonado desapareceu.

Dias depois da tempestade, de acordo com as histórias, o vigia do Capitão Baker pôde localizar a embarcação através de sua luneta apenas para perceber que a embarcação se afastava sem rumo mais uma vez. Depois de horas de esforço, Ellen Austin conseguiu alcançar o navio.

Mas, estranhamente, ninguém estava a bordo. No entanto, outra versão da história sugere uma segunda tentativa de Baker para trazê-la de volta à terra, mas terminou com o mesmo destino antes de Ellen Austin abandonar o navio amaldiçoado.

Outros relatos sugerem que o abandonado foi mais uma vez localizado, mas desta vez tinha uma equipe separada da equipe premiada colocada nele por Ellen Austin.

O desaparecimento do navio, seu reaparecimento e a ausência da tripulação do prêmio é uma história intrigante. É mais como um segredo do triângulo das Bermudas, que aparentemente não tem chances de ser desvendado tão cedo.

3. USS Cyclops

O desaparecimento do USS Cyclops, um dos maiores navios de combustível da Marinha, marca a maior perda de vidas na história da Marinha dos Estados Unidos em um único incidente.

Em março de 1918, este enorme navio partiu do Brasil para Baltimore, através da região das Bermudas, carregando 10.800 toneladas de minério de manganês com cerca de 309 tripulantes a bordo. Partindo em um dia razoavelmente bom, a primeira e única mensagem enviada por este navio não indicava nenhum tipo de problema.

No entanto, nunca mais se ouviu falar dele. Toda uma busca na área foi colocada em ação, mas nada foi encontrado. Nenhum resto do navio ou de qualquer membro da tripulação a bordo foi encontrado. O capitão do USS Cyclops nunca enviou um sinal de socorro e ninguém a bordo respondeu às chamadas de rádio de outras embarcações nas proximidades.

Os investigadores navais também não conseguiram encontrar uma causa definitiva para o seu desaparecimento, embora houvesse uma série de teorias sugerindo várias razões.

Devido ao seu misterioso desaparecimento, o Ciclope passou a fazer parte da lista de mais de 100 navios e aviões que desapareceram em estranhas circunstâncias no triângulo das Bermudas.

4. Carroll A. Deering

Carroll A. Deering, uma escuna comercial de cinco mastros, é um dos mistérios marítimos mais escritos do século 20 devido ao completo mistério em torno de seu abandono.

Em 31 de janeiro de 1921, Carroll A. Deering foi encontrado encalhado nas rochas traiçoeiras de Hatteras Diamond Shoals, Carolina do Norte. Houve especulações de que o navio estava envolvido no rum.

No entanto, quando a equipe de investigação de Barbados chegou ao navio após dias de esforço no mar agitado, o que eles encontraram foi um navio deserto com todos os membros da tripulação desaparecidos, juntamente com os pertences pessoais da tripulação, equipamentos de navegação do navio, diários de bordo e botes salva-vidas, entre outros.

Freqüentemente conhecido como “Navio Fantasma de Outer Banks”, o desaparecimento de Carroll A. Deering junto com poucas outras embarcações durante o mesmo período na área do triângulo das Bermudas foi uma informação valiosa sobre as águas misteriosas, mas nada poderia trazer ninguém mais perto para resolver este mistério.

Relatórios sugerem que até nove navios desapareceram durante este período, da mesma região - nenhum dos quais foi ouvido novamente.

5. Bruxaria

Em 22 de dezembro de 1967, um cruzador de cabine chamado Bruxaria partiu de Miami com seu capitão Dan Burack e seu amigo, Padre Patrick Horgan.

A viagem dos dois cavalheiros no iate de luxo de 23 pés foi para apreciar a vista maravilhosa das luzes de Natal de Miami e # 8217s. No entanto, após chegar a apenas uma milha da costa, a guarda costeira recebeu uma ligação do capitão informando que seu navio havia atingido algo, mas não havia danos substanciais.

Indicando ajuda para ser rebocado para a costa, a guarda costeira partiu imediatamente para a feitiçaria em até 19 minutos sozinha, mas para nada.

A área que indica a localização do navio estava completamente deserta, sem sinais de qualquer navio ter encalhado ou mesmo presente lá anteriormente.

O que é mais intrigante sobre esta história é que este cruzador em particular era virtualmente impossível de afundar, sem mencionar que vários dispositivos salva-vidas presentes a bordo, incluindo coletes salva-vidas, botes salva-vidas, foguetes, dispositivos de sinalização de socorro, etc.

Nenhum deles foi usado e o navio se foi. Os oficiais da guarda costeira vasculharam centenas de milhas quadradas do oceano nos dias seguintes, mas não tiveram sucesso. Nada deste navio foi encontrado até este dia. O navio se foi e o que resta é apenas a especulação que pode ser feita agora.

Você conhece algum outro mistério que possa ser adicionado a esta lista?

Informe & # 8217s nos comentários abaixo.

Você também pode gostar de ler:

Isenção de responsabilidade:As opiniões dos autores expressas neste artigo não refletem necessariamente as opiniões da Marine Insight. Os dados e gráficos, se usados, no artigo foram obtidos a partir das informações disponíveis e não foram autenticados por nenhuma autoridade estatutária. O autor e o Marine Insight não afirmam que seja preciso nem aceitam qualquer responsabilidade pelo mesmo. Os pontos de vista constituem apenas as opiniões e não constituem qualquer orientação ou recomendação sobre qualquer curso de ação a ser seguido pelo leitor.

O artigo ou as imagens não podem ser reproduzidos, copiados, compartilhados ou usados ​​de qualquer forma sem a permissão do autor e da Marine Insight.

Procurando por recursos marítimos práticos e acessíveis?

Confira os guias digitais do Marine Insight:

e-books para o departamento de convés - Recursos em uma variedade de tópicos relacionados a máquinas e operações de convés.

eBooks para departamento de motores - Recursos em uma variedade de tópicos relacionados às máquinas e operações da sala de máquinas.

Economize muito com pacotes combinados - Pacotes de recursos digitais que ajudam você a economizar muito e vêm com bônus gratuitos adicionais.

eBooks em sistemas elétricos marítimos - Recursos digitais em projeto, manutenção e solução de problemas de sistemas elétricos marítimos


O triângulo das Bermudas

[PureInsight.org] A simples menção deste lugar evoca uma gama de emoções e imagens nas pessoas: um contato com algo misterioso, navios afundando e aviões desaparecendo em lugar nenhum, distorções no espaço-tempo, desconfiança, medo e um desejo de descobrir a verdade escondida por trás deles fenômenos místicos.

O Triângulo das Bermudas é uma área do Oceano Atlântico onde, aparentemente, desaparecimentos misteriosos acontecem no mar e no ar. A área é marcada por fronteiras da Flórida às Bermudas, mais ao sul até Porto Rico e de volta à Flórida pelas Bahamas. Um "triângulo" semelhante no Oceano Pacífico é denominado "diabólico". Várias hipóteses apresentadas que explicam esses desaparecimentos incluem padrões climáticos incomuns e abduções alienígenas.

A história

O primeiro dos "desaparecimentos misteriosos" no Triângulo das Bermudas foi mencionado por um correspondente do Associated Press, Edward Van Winkle Jones. Em 1950, em seu artigo, ele chamou essa área de "mar do diabo". O autor da combinação de palavras "triângulo das Bermudas" é considerado Vincent Gaddis, que publicou um artigo em 1964 em uma revista dedicada ao espiritualismo, "The Deadly Bermuda Triangle".

Do final dos anos 1960 ao início dos anos 70, começaram a aparecer inúmeras publicações sobre os segredos do Triângulo das Bermudas.

Em 1974, Charles Berlitz publicou um livro, “O Triângulo das Bermudas”, uma coleção de vários desaparecimentos misteriosos nesta área. O livro se tornou um best-seller e, após sua publicação, as teorias sobre as características incomuns do Triângulo das Bermudas se tornaram especialmente populares. Porém, posteriormente, foi demonstrado que alguns fatos apresentados no livro foram incorretamente declarados.

Em 1975, Lawrence David Kusche publicou um livro, “The Bermuda Triangle Mystery: Solved”, onde tentou argumentar que nada sobrenatural ou misterioso acontece naquela área. Este livro é baseado em pesquisas de longo prazo de documentos e conversas de testemunhas oculares. Mas os defensores da existência do evasivo Triângulo das Bermudas revelaram vários erros e discrepâncias neste livro.

No entanto, incidentes místicos em torno da área do Triângulo das Bermudas não podem ser ignorados. Casos de desaparecimentos misteriosos nesta área animaram as mentes das pessoas desde o início da década de 1960. O mais conhecido e misterioso deles é a perda de todo um esquadrão de aviões militares americanos. Cinco bombardeiros com 14 tripulantes repentinamente desapareceram da tela do radar na região do Triângulo das Bermudas durante o treinamento de vôo. Um avião com uma tripulação de 13 pessoas a bordo saiu em busca, mas também desapareceu. Nem avião, nem fragmentos de aeronave foram encontrados até hoje.

Após 25 anos de silêncio, em 2003, foi publicado um livro escrito por Gian J. Quasar, “No Triângulo das Bermudas: Perseguindo a Verdade por Trás do Maior Mistério do Mundo”. O autor generalizou 13 anos de informações pesquisadas retiradas de fontes oficiais como NTSB, Guarda Costeira, Força Aérea e Marinha e muitos arquivos estrangeiros. A lista de aviões ausentes no triângulo das Bermudas pode ser encontrada aqui: http://www.bermuda-triangle.org/html/lost_aircraft.html

Incidentes no Triângulo das Bermudas

Os defensores da teoria do Triângulo das Bermudas mencionam o desaparecimento de cerca de 100 grandes embarcações marítimas e aéreas nos últimos cem anos. Além de desaparecimentos, há casos relatados de embarcações marítimas em perfeito funcionamento abandonadas por membros da tripulação e outros fenômenos incomuns, como transporte instantâneo para o espaço, anomalias com o tempo, etc. David Kusche e outros pesquisadores mostraram que alguns desses casos ocorreram fora do Triângulo das Bermudas. As informações oficiais sobre alguns incidentes são impossíveis de encontrar. No entanto, o comportamento incomum das bússolas na área do Triângulo das Bermudas foi até mencionado já por Cristóvão Colombo em seus diários de navegação marítima. Muitas testemunhas oculares compartilharam suas experiências que aconteceram no Triângulo das Bermudas, entre as quais estavam o comportamento estranho de bússolas, entrando em túneis, nuvens incomuns, entrando em substâncias rotativas incomuns semelhantes a gemada e saindo delas por algo semelhante a uma cortina, uma luminescência incomum , faíscas e outros.

Rastos se formam ao sair do túnel. Cortesia de Bruce Gernon. (Imagem retirada de: www.bermuda-triangle.org)

Cientistas conhecidos como Michio Kaku e Albert Einstein propuseram teorias sobre a refração do tempo. Einstein falou sobre "o rio do tempo". Michio Kaku, um físico moderno mundialmente famoso, apresentou uma teoria dizendo que "o rio do tempo" pode se torcer em si mesmo, o que leva à formação de "redemoinhos do tempo" através dos quais é possível entrar em outros tempos- espaços e também que este “rio do tempo” pode bifurcar. Michio Kaku também afirma que muitos mundos paralelos (tempos-espaços) existem no mesmo lugar.

Mestre Li Hongzhi, o fundador da prática espiritual Falun Dafa dá uma explicação semelhante para o fenômeno do Triângulo das Bermudas em seu livro, Falun Gong:

“Mesmo que algumas pessoas não admitam a existência de certas coisas, elas realmente se manifestaram em nossa dimensão. Por exemplo, existe um lugar chamado Triângulo das Bermudas (ou ‘Triângulo do Diabo’). Alguns navios e aviões desapareceram naquela área, apenas para ressurgir anos depois. Ninguém pode explicar o porquê, já que ninguém foi além dos limites do pensamento e das teorias humanas. Na verdade, o Triângulo é uma porta de entrada para outra dimensão. Ao contrário de nossas portas regulares que têm posições definidas, seu status é sempre imprevisível. Um navio pode facilmente entrar em outra dimensão se passar quando a porta estiver aberta. Os seres humanos não podem sentir as diferenças entre as dimensões e entram na outra dimensão instantaneamente. As diferenças de tempo e espaço entre essa dimensão e nossa dimensão não podem ser expressas em milhas - uma distância de milhares de milhas pode estar contida em um ponto aqui. Ou seja, eles podem existir no mesmo lugar e ao mesmo tempo. O navio balança por um momento e volta a sair por acidente. Ainda assim, décadas se passaram neste mundo, já que o tempo é diferente nas duas dimensões. Existem também mundos unitários existentes em cada dimensão. É semelhante aos nossos modelos de estruturas atômicas em que uma bola está conectada a outra por um fio, envolvendo muitas bolas e fios. É muito complexo.

Um piloto britânico estava cumprindo uma missão quatro anos antes da Segunda Guerra Mundial. No meio de sua fuga, ele enfrentou uma forte tempestade. Com base na experiência anterior, ele conseguiu encontrar um aeroporto abandonado. No momento em que o aeroporto apareceu diante de seus olhos, uma imagem completamente diferente apareceu: de repente, estava ensolarado e sem nuvens, como se ele tivesse acabado de emergir de outro mundo. Os aviões do aeroporto eram pintados de amarelo e as pessoas estavam ocupadas fazendo coisas no solo. Ele achou isso tão estranho! Ninguém o reconheceu depois que ele pousou, mesmo a torre de controle não o contatou. O piloto então decidiu ir embora, pois o céu havia clareado. Ele voou novamente, e quando estava na mesma distância em que vira o aeroporto momentos antes, novamente se viu em uma tempestade. Ele finalmente conseguiu voltar para sua base. Ele relatou o caso e até anotou no registro de vôo. Mas seus superiores não acreditaram nele. Quatro anos depois estourou a Segunda Guerra Mundial e ele foi transferido para o mesmo aeroporto abandonado. Ele imediatamente se lembrou de que era exatamente a mesma cena que vira quatro anos antes. Nós, mestres de qigong, sabemos como explicar isso. Ele fez antecipadamente o que faria quatro anos depois. Antes de o evento começar, ele foi lá e desempenhou seu papel antecipadamente. As coisas então voltaram à ordem correta. ” (Falun Gong, Capítulo 1, (4) Dimensões)

Cabe aos leitores refletir sobre o tema e tirar suas próprias conclusões.


O desaparecimento do famoso Triângulo das Bermudas pode ter sido malsucedido Motim

Quando os EUA Ciclope saiu da grade em algum lugar ao norte de Barbados, tornou-se um dos exemplos mais populares dos perigos misteriosos à espreita dentro do Triângulo das Bermudas.

Um dos maiores navios de combustível da Marinha, o Cyclops foi visto pela última vez neste dia, 4 de março de 1918, quando fez uma escala nas Índias Ocidentais a caminho do Brasil para Baltimore, carregando 10.800 toneladas de minério de manganês para serem utilizadas na fabricação munições. Mas o navio nunca chegou a Baltimore, nem nenhum de seus cerca de 300 passageiros e tripulantes. Apesar de um exaustivo esforço de busca, nenhum vestígio do navio foi encontrado, e os investigadores da Marinha nunca chegaram a uma causa definida para o seu desaparecimento.

O que tornou tudo ainda mais misterioso, de acordo com um contemporâneo de Nova York Vezes conta, foi que o capitão nunca enviou um sinal de socorro, nem ninguém a bordo respondeu às chamadas de rádio das centenas de navios americanos nas proximidades. Além do mais, não houve tempestades fortes o suficiente para fazer o Ciclope naufragar, de acordo com o Vezes, que passou a sugerir que o navio pode ter sido alvo de minas alemãs ou submarinos. De acordo com o Comando de História e Herança Naval, uma revista contemporânea sugeriu que um polvo gigante tinha & ldquo [subido] do mar, entrelaçado o navio com seus tentáculos e arrastado para o fundo. & Rdquo

A Marinha, no entanto, descartou a probabilidade de ataques de polvos alemães ou gigantes, abrindo a porta para mais especulações sobrenaturais, e o Ciclope se juntou à lista de mais de 100 navios e aviões que desapareceram em circunstâncias estranhas na região triangular aproximadamente limitada por Bermuda, Miami e Porto Rico.

Embora o Triângulo das Bermudas tenha se tornado uma fixação cultural das décadas de 1950 e 1960, ele já foi repetidamente e exaustivamente desmascarado. Sua reputação como uma espécie de buraco negro terrestre sofre cada vez que um avião ou navio desaparecido reaparece.

E embora ainda não haja vestígios do Ciclope, há, pelo menos, uma explicação alternativa. Centra-se em um capitão mais excêntrico do que Ahab, com uma predileção por & ldquopacing o tombadilho usando chapéu, bengala e cueca & rdquo e contra quem alguns de seus tripulantes já haviam tentado um motim antes de chegarem a Barbados, pela Marinha. Conforme citado no livro de Gian Quasar & rsquos Horizontes distantes, o Cônsul dos Estados Unidos em Barbados escreveu ao Departamento de Estado após o desaparecimento do navio, observando que o capitão parecia profundamente odiado por seus colegas oficiais e que, ao suprimir a recente tentativa de motim, prendeu membros de sua tripulação e executou um .

& ldquoApesar de não ter fundamentos definidos, temo o destino mais do que afundar & rdquo, escreve o cônsul & ldquoth embora possivelmente com base na aversão instintiva sentida pelo mestre. & rdquo

Leia sobre a descoberta de 1991 de cinco bombardeiros perdidos, aqui nos arquivos da TIME: Esquadrão Perdido

Correção: A versão original deste post incluía uma referência aos bombardeiros do Esquadrão Perdido da Marinha, encontrados em 1991. Mais tarde, foi descoberto que os destroços haviam sido identificados incorretamente.


Destroços encontrados podem esclarecer o desaparecimento da patrulha de aeronaves de 1945

Você é um piloto da Marinha designado para o vôo 19 sob o comando do Tenente Charles Carroll Taylor. Nada de espetacular estava planejado naquele dia, apenas uma navegação de rotina e um exercício de treinamento de combate. Mal sabia você, este seria seu último vôo.

Naquele dia fatídico em 1945, cinco torpedeiros torpedeiros da Marinha TBM Avenger voaram para os céus no que deveria ser um vôo de treinamento de rotina. O plano de vôo planejado levava os bombardeiros para o leste, afastando-se de Miami, Flórida, onde eles virariam para o norte, lançariam suas ordenanças e então voltariam para o oeste em direção a casa. Tudo saiu conforme o planejado & # 8230 até que não deu. Salvo indicação em contrário, o material de origem para esta história é do War History Online.

Algum tempo depois de lançar sua portaria, o sistema de navegação da aeronave líder começou a funcionar mal. After encountering an unexpected weather front that brought heavy winds, rain, and cloud cover, Lieutenant Taylor made the executive decision to turn the flight northeast.

This decision was not the SOP (Standard Operating Procedure) for aircraft operating in the Atlantic. Pilots who flew in this area were instructed to turn west and head toward the sunset if they ever got disoriented or lost.

It is believed that if Flight 19 had turned their heading to the west, they would have found land and eventually regained their course.

Lieutenant Taylor believed that they had been blown down into the Gulf by the foul weather and by turning northeast, they would reach land. Radio communication between the Flight 19 crew indicated that not all members of the flight agreed with Lieutenant Taylor’s call and that one plane may have broken off and attempted to make the return flight alone.

A massive search was immediately launched but nothing was located. No bodies, no aircraft – at least that’s what the official story states. There have been several independent investigations that have attempted to locate this missing flight but all efforts eventually reach a wall of silence.

One such “wall of silence” was encountered by a lawyer out of Florida by the name of Graham Stikelether in 1963. While hunting in a Florida swamp, Stikelether discovered wreckage matching the aircraft from Flight 19. Not only did Stikelether find the wreckage, but the deceased crew of the aircraft was still on board. After reporting the wreckage to the authorities, Stikelether reached out to a contact of his at the Pentagon who instructed him to drop the case.

To this day no one has conclusively proven what happened to the men of Flight 19. This occurrence did take place near the infamous “Bermuda Triangle” and with the government closing the door on this case in the manner they have, it does appear something is amiss.

So…what do you think happened on that day in 1945? Share this out on Facebook and Twitter and let us know!


Bermuda Triangle Flight 19: The Lost Patrol from Fort Lauderdale

On Dec. 5, 1945, four months after the end of World War II, five “Avenger” torpedo bombers took off from the Naval Air Station Fort Lauderdale. Referred to now as "Bermuda Triangle Flight 19," they were headed east for the Bahamas to practice bombing runs on a sunken ship. The five planes – and their 14 crew members – never returned.

After they radioed a distress call to the base, a PBM-Mariner “Flying Boat” search plane was sent out to look for Flight 19. That plane – and its 13 crew members – never came back, either.

There was no “hostile action” the war was over. There were no reports of large storms over the ocean. There were no reports of any crashes in the area. And no wreckage ever found. Six planes, and 27 crew members, simply disappeared.

Some have blamed “The Bermuda Triangle,” that mysterious watery graveyard in which countless ships and planes have been lost. Although a few World War II planes have been found in the area, none has ever been positively identified as being from Flight 19, or as the rescue plane.

As the years went by, and the legends piled up, Flight 19 became known as “The Lost Patrol.”

Today, in an old, ramshackle barracks building on the periphery of Fort Lauderdale-Hollywood International Airport – the only original structure still remaining on the site of the Naval Air Station – the Lost Patrol is memorialized in this historical Florida site.

Inside this old museum, maintained and managed by the Naval Air Station Fort Lauderdale Historical Association, it’s 1944 again. The world is at war. And the uniforms, training equipment, posters, machines, flags, teletypes, mock training aircraft and medals of those days are on display, along with built-to-scale models of planes and ships, larger-than-life paintings, flight record – and the “George Bush Room,” a reproduction of the barracks room used by future-President George H. W. Bush when he trained here as an 18-year-old “Avenger” pilot before shipping out to the Pacific.

Here, every Dec. 5, surviving veterans who served at Naval Air Station Fort Lauderdale, along with friends and families, gather for a ceremony memorializing the crewmen of Bermuda Triangle Flight 19, the crewmen of the “Flying Boat” that searched for them and the 68 other flyers from this base who died in WWII.

Before the war, this was empty land. By 1943, however, more than 2,500 men (and women) were based here, including not only pilots, but also machinists, communications specialists, gunners, and weapons specialists. And they weren’t only Americans a number of Britons trained here, as well.

On that fateful morning of Dec. 5, the weather was described by the base water specialists as “Favorable… sea state moderate to rough.” Ninety minutes after the five Avengers of Flight 19 took off toward the Bahamas, when the tower at the Naval Air Station had been expecting to hear a request for landing instructions, they were surprised to hear Mission Commander Charles Taylor radio that he was lost.

“Cannot see land,” Taylor said. “We seem to be off-course.”

“What is your position?” the tower at the Naval Air Station responded. There were several moments of silence.

“We cannot be sure where we are,” Taylor said. “Repeat: Cannot see land.”

Contact was lost for the next ten minutes. Then the tower received another transmission from Taylor’s Avenger. But it wasn’t from Taylor it was from one of the crew.

“We can’t find West. Everything is wrong. We can’t be sure of any direction. Everything looks strange… even the ocean.”

Then there was another delay, after which a voice bordering on hysteria (not Taylor’s) radioed the tower.

“We can’t tell where we are… everything is… can’t make out anything. We think we may be about 225 miles northeast of base…”

That pilot rambled on nervously for a few minutes and then uttered the last words ever heard from Flight 19.

“It looks like we are entering white water… We’re completely lost.”

For the next several days, hundreds of aircraft and ships combed the waters searching for survivors, or wreckage. But nothing was ever found.

Ever since, researchers have been trying to figure out what happened to the five planes of Flight 19, and to the “Flying Boat” aircraft that went searching for them.

In addition to the Bermuda Triangle theory, a number of other theories have been bandied about. But most experts believe that Flight 19 simply went off course – northward to the open sea rather than eastward toward the Bahamas – and then each plane ran out of gas and had to ditch. But that theory still doesn’t explain the disappearance of the rescue plane.

Today, a local doctor named John Bloom and his wife, Minerva, volunteer at the museum, along with Debbie McIlhenny, daughter of the museum’s founder, a World War II sailor named John McIlhenny. In this small old barracks from another time, they lovingly care for one of the finest collections of World War II items in America.

But, like everyone else who’s tried to figure it out, they can’t answer the question for sure, either.

What, exactly, happened to the Lost Patrol? And what happened to the rescue aircraft sent out to search for them?

Was it entirely-logical circumstance? Or was it the Bermuda Triangle?

When you go…


The Naval Air Station Fort Lauderdale Museum
4000 West Perimeter Rd.
Fort Lauderdale, FL 33315
(754) 300-9259 or (954) 359-4400
Call ahead to reserve a tour.
Admission is free, but donations are appreciated.


75 Years Ago Today, Five Planes Disappeared Over The Bermuda Triangle

We’ve been losing things over the Bermuda Triangle for over 100 years, but one of the strangest occurrences took place 75 years ago today, on December 5, 1945. Five torpedo bombers up and disappeared during a three-hour training mission out of Fort Lauderdale, Florida. All 14 airmen were lost—alongside an additional 13 members of the search crew.

(Welcome to Today in History, the series where we dive into important historical events that have had a significant impact on the automotive or racing world. If you have something you’d like to see that falls on an upcoming weekend, let me know at eblackstock [at] jalopnik [dot] com.)

At 2:10 p.m. on December 5, 1945, five TBM Avenger torpedo bombers took off to tackle a three-hour exercise called Navigation Problem Number One. Their flight plan was set to look like a triangle, requiring Flight 19 to head east to conduct a bombing run, then turn north over the Bahamas, before turning southwest and flying back to base. Most everyone on that run was a skilled pilot, having logged 300 hours of air time.

That first leg went by without problem. Then things got weird. Flight leader Lieutenant Charles C. Taylor became convinced that his compass was malfunctioning and that he was leading his crew in the wrong direction. Things weren’t helped when a gusty storm swept through, further disorienting everyone.

“I don’t know where we are,” one of the pilots said over the radio. “We must have got lost after that last turn.”

Things got even weirder. From History :

Lieutenant Robert F. Cox, another Navy flight instructor who was flying near the Florida coast, was the first to overhear the patrol’s radio communications. He immediately informed the Air Station of the situation and then contacted the Avengers to ask if they needed assistance. “Both my compasses are out and I’m trying to find Ft. Lauderdale, Florida,” Taylor said, his voice sounding anxious. “I’m over land, but it’s broken. I’m sure I’m in the Keys, but I don’t know how far down.”

Taylor’s claim didn’t seem to make sense. He’d made his scheduled pass over Hens and Chicken Shoals in the Bahamas less than an hour earlier, but he now believed his planes had somehow drifted hundreds of miles off course and ended up in the Florida Keys.

Under normal circumstances, pilots were supposed to fly toward the setting sun, but Taylor decided to fly farther out to sea. By the time he got things righted, the planes were getting dangerously close to running out of fuel.

Just after 6pm, radio communications were lost.

Around 7:30, the Navy sent out a pair of PBM Mariner flying boats to hunt for the lost planes. Before 8pm, one of the boats fell off the radar.

Starting the next day, search parties went out in search of both Flight 19 and the missing Mariner. Despite hundreds of planes on the search, the planes were never recovered.

There are a lot of different explanations for why this particular area of the Atlantic Ocean tends to swallow up crafts that pass through. If you like a more mystical flavor, you can blame the sunken city of Atlantis or UFOs. If you’re interested in a more natural, scientific explanation, there are plenty to choose from: changing compasses due to odd magnetic forces, the Gulf Stream, bad weather, methane seeping out of continental shelves, or just plain old human error. My mom watches enough alien mystery shows that I’ll let y’all choose whichever answer you like.

In this particular case, the Mariner flying boats were known to explode, and that’s very likely what happened to the rescue boat that went missing. As far as Lieutenant Taylor’s confusion goes, he had just transferred from Fort Lauderdale from Miami, so some people have hypothesized that he confused the Bahamas with the Florida Keys. As far as the planes themselves, they’re likely somewhere out in the ocean. But it’s still one of those weird unsolved mysteries that haunts people to this day.

Weekends at Jalopnik. Managing editor at A Girl's Guide to Cars. Lead IndyCar writer and assistant editor at Frontstretch. Novelist. Motorsport fanatic.


What Is the Connection Between the Bermuda Triangle and Amelia Earhart?

There is no connection between the Bermuda Triangle and Amelia Earhart. The Bermuda Triangle is an area of the Atlantic Ocean where airplanes have mysteriously disappeared. Amelia Earhart was an American pilot who disappeared while flying over the Pacific Ocean.

Amelia Earhart was the first woman to fly across the Atlantic Ocean solo. Then in 1937, she attempted to become the first woman to make a solo flight around the world. While flying over the Pacific Ocean, Earhart radioed that she was running low on fuel and could not see the landing strip. Her plane went down, but neither Earhart nor the plane were ever found. What happened to Earhart remains a mystery to this day.

Some people mistakenly believe that Amelia Earhart disappeared in what is known as "The Bermuda Triangle," an area of the Atlantic Ocean approximately outlined by drawing a triangle between Florida, Bermuda, and Puerto Rico. Over the years, ships and planes have disappeared while crossing through that area. One of the most famous disappearances happened in 1945, when five Navy torpedo bombers disappeared during a training exercise more than 100 miles off the coast of Florida. When a search and rescue plane was sent to look for them, it too disappeared. None of the planes were ever found.


75 Years Ago, Five Planes Disappeared Over The Bermuda Triangle

We’ve been losing things over the Bermuda Triangle for over 100 years, but one of the strangest occurrences took place 75 years ago, on December 5, 1945. Five torpedo bombers up and disappeared during a three-hour training mission out of Fort Lauderdale, Florida. All 14 airmen were lost — alongside an additional 13 members of the search crew.

At 2:10 p.m. on December 5, 1945, five TBM Avenger torpedo bombers took off to tackle a three-hour exercise called Navigation Problem Number One. Their flight plan was set to look like a triangle, requiring Flight 19 to head east to conduct a bombing run, then turn north over the Bahamas, before turning southwest and flying back to base. Most everyone on that run was a skilled pilot, having logged 300 hours of air time.

That first leg went by without problem. Then things got weird. Flight leader Lieutenant Charles C. Taylor became convinced that his compass was malfunctioning and that he was leading his crew in the wrong direction. Things weren’t helped when a gusty storm swept through, further disorienting everyone.

“I don’t know where we are,” one of the pilots said over the radio. “We must have got lost after that last turn.”

Things got even weirder. From History:

Lieutenant Robert F. Cox, another Navy flight instructor who was flying near the Florida coast, was the first to overhear the patrol’s radio communications. He immediately informed the Air Station of the situation and then contacted the Avengers to ask if they needed assistance. “Both my compasses are out and I’m trying to find Ft. Lauderdale, Florida,” Taylor said, his voice sounding anxious. “I’m over land, but it’s broken. I’m sure I’m in the Keys, but I don’t know how far down.”

Taylor’s claim didn’t seem to make sense. He’d made his scheduled pass over Hens and Chicken Shoals in the Bahamas less than an hour earlier, but he now believed his planes had somehow drifted hundreds of miles off course and ended up in the Florida Keys.

Under normal circumstances, pilots were supposed to fly toward the setting sun, but Taylor decided to fly farther out to sea. By the time he got things righted, the planes were getting dangerously close to running out of fuel.

Just after 6pm, radio communications were lost.

Around 7:30, the Navy sent out a pair of PBM Mariner flying boats to hunt for the lost planes. Before 8pm, one of the boats fell off the radar.

Starting the next day, search parties went out in search of both Flight 19 and the missing Mariner. Despite hundreds of planes on the search, the planes were never recovered.

There are a lot of different explanations for why this particular area of the Atlantic Ocean tends to swallow up crafts that pass through. If you like a more mystical flavour, you can blame the sunken city of Atlantis or UFOs. If you’re interested in a more natural, scientific explanation, there are plenty to choose from: changing compasses due to odd magnetic forces, the Gulf Stream, bad weather, methane seeping out of continental shelves, or just plain old human error. My mum watches enough alien mystery shows that I’ll let y’all choose whichever answer you like.

In this particular case, the Mariner flying boats were known to explode, and that’s very likely what happened to the rescue boat that went missing. As far as Lieutenant Taylor’s confusion goes, he had just transferred from Fort Lauderdale from Miami, so some people have hypothesised that he confused the Bahamas with the Florida Keys. As far as the planes themselves, they’re likely somewhere out in the ocean. But it’s still one of those weird unsolved mysteries that haunts people to this day.


Assista o vídeo: Хотели ВЗОРВАТЬ МАЯК, но получили . . Бой на острове Сухо 1942


Comentários:

  1. Shaktikus

    Assim acontece.

  2. Hosea

    Se você realmente escreveu isso para iniciantes, deveria tê-lo coberto com mais detalhes ...

  3. Gusho

    Não entendo todos.

  4. Ion

    Disse em confiança, minha opinião é evidente. Eu aconselho você a tentar pesquisar no google.com

  5. Elliott

    Eu acho que ele está errado. Escreva-me em PM, discuta-o.

  6. Dartagnan

    Sinto muito, não posso ajudar nada. Mas é garantido que você encontrará a decisão correta.



Escreve uma mensagem